Bruno Fernandes

Candidato a Presidente
da Câmara Municipal
de Guimarães

Biografia

Nome completo:

Bruno Alberto Vieira Fernandes

Data de nascimento:

25 de março de 1978

Filiação:

Pai, encarregado de tecelagem (Coelima), reformado
Mãe, doméstica

Família:

Casado com uma professora, pai de dois filhos de 12 e sete anos

Formação:

Até ao 9º ano estudou em São Torcato; ensino secundário na Escola Secundária Martins Sarmento, em Guimarães; Licenciatura em Contabilidade e Administração de Empresas, no Instituto Politécnico do Porto.

Carreira:

Primeiro emprego (antes de ingressar no ensino superior), departamento de contabilidade da Têxteis TARF; Arthur Andersen; Deloitte ; Governo Civil de Braga, Adjunto; Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, chefe de gabinete (2005-2019); Escola Profissional do Alto-Ave, diretor (2019- atualidade).

Experiência autárquica:

Chefe de gabinete do presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso (2005-2019); presidente da Junta de Freguesia de São Torcato (2005-2017); membro da Assembleia Municipal de Guimarães, desde 2001; vereador da Câmara de Guimarães, desde 2017.

Vida associativa:

Presidente do Grupo Folclórico de São Torcato

Mensagem

Caros Vimaranenses,

É com muita honra, mas também com humildade, que quero anunciar-vos que sou candidato a presidente da Câmara Municipal de Guimarães.

Uma decisão que assenta em dois pressupostos muito concretos:

  1. acho que a nossa terra pode ser ainda mais desenvolvida, retribuindo aos cidadãos melhor qualidade de vida;
  2. entendo ser capaz de trazer à gestão do município uma nova energia e a ambição que há muito perdeu.

Vivemos tempos muito exigentes. A pandemia tem sido terrível para as famílias e empresas do nosso concelho.

O Município tem obrigação de desempenhar um papel decisivo na recuperação da nossa confiança enquanto colectivo. Temos de recuperar o turismo concelhio com efeitos significativos nos pequenos negócios como a hotelaria, ou a restauração. É preciso recuperar a dinâmica do comércio de rua, dos agentes culturais, dos sonhos de muitos pequenos investidores que foram suspensos pela pandemia.

Também, no imediato, é fundamental ajudar as nossas associações culturais e desportivas a voltar à normalidade. Recuperar as rotinas e a vida coletiva que tínhamos antes da pandemia tem de ser uma prioridade.

A Autarquia tem de se assumir como o grande comandante deste barco com nove séculos de história. E que história! Guimarães é uma terra fantástica, com gente que não desiste, mesmo em situações angustiantes como a que vivemos neste último ano.

Por isso, defendo que a gestão da Câmara Municipal deve ser mais ambiciosa. O Município deve ter a ambição de projetar Guimarães, dentro e fora Portugal. Não podemos continuar a ver os grandes investimentos, geradores de emprego de qualidade e potenciadores das nossas empresas, fixarem-se em concelhos vizinhos.

A Câmara Municipal tem a responsabilidade de cuidar da nossa cidade não apenas para ser visitada, mas para ser vivida por todos nós e, em especial, por quem nela reside. É preciso aproximar as vilas e freguesias do centro, com melhores vias de comunicação e meios de transporte. É essa aproximação que permitirá que o concelho se oriente como um todo para objetivos comuns.

A distribuição dos investimentos nas freguesias tem que ser feita com critério de equidade, não pode continuar a acentuar as desigualdades a que vamos assistindo.

A gestão do município só faz sentido focada nas pessoas e nos seus problemas.

É preciso implementar medidas que voltem a fazer crescer a nossa população. A oferta de habitação a custo justo para os nossos jovens, contrariando a sua saída para outros concelhos, é uma destas providências indispensáveis.

Vejo nas universidades parceiros estratégicos no auxílio ao planeamento. As decisões políticas devem ser suportadas por conhecimento científico.

O conhecimento é também o caminho para as empresas que querem competir no mercado global pela qualidade e não apenas pelo preço. Este é o tipo de empresa que queremos ter, cada vez mais, no nosso concelho. A Câmara Municipal deve ser capaz de criar um ecossistema em que esse conhecimento circule da academia para empresas. Um concelho com esta visão tem que ter parques industriais com as condições que as empresas necessitam no século XXI, para que não as veja irem-se embora por não encontrarem aqui a conjuntura para se desenvolverem.

Ambiciono um concelho que garanta educação e formação de excelência aos nossos jovens, uma cidade com um modelo de gestão inteligente, capaz de competir com as cidades médias europeias.

Tenho orgulho na nossa história, cultura e tradições. Partindo deste legado, quero construir um concelho amigo do ambiente, mas sem esquecer as fortes marcas pelas quais somos reconhecidos: a história, a cultura e a indústria.

Acima de tudo, aspiro a um Município com responsabilidade social, capaz de estar ao lado de quem mais precisa, quando essa ajuda é necessária.

Nas próximas semanas, vou adicionar ao programa da Coligação Juntos Por Guimarães os contributos dos vimaranenses que se vão materializar nas áreas que vos referi. Depois de concluído, esse documento será o compromisso que assumirei com todos vós.

Um compromisso de dedicação, de ambição e de continuidade da alternativa credível que temos apresentado aos vimaranenses. Que pretende acima de tudo conquistar um voto de confiança para que possa provar que podemos ter um concelho com melhor qualidade de vida.

É assim que quero governar Guimarães com uma nova energia. Com respeito pelos idosos, ao lado das famílias mais vulneráveis e valorizando a força da nossa juventude.

Comecei por dizer que me apresento com muita honra, porque, de facto, ser presidente da Câmara Municipal da primeira cidade de Portugal é a maior honra a que um vimaranense pode aspirar. Mas também, com grande humildade, porque estou consciente que nada poderei fazer sozinho, preciso de vós, para juntos construirmos o futuro de Guimarães. Um futuro que orgulhe a nossa história.

Um abraço amigo,
Bruno Fernandes